Verrugas genitais não tratadas podem aumentar risco de transmissão do HIV

Publicado em Destaque, Notícias

Crédito: Fotolia

Crédito: Fotolia

Verrugas genitais, causadas pelo papilomavírus humano (HPV), são um tipo comum de infecção sexualmente transmissível (IST) que, embora raramente evolua para câncer, costuma causar aborrecimentos. Mas um estudo recém-publicado alerta que o problema facilita a infecção pelo HIV, o vírus da Aids. Por isso, é importante evitar e tratar adequadamente a doença, também conhecida como condiloma ou “crista de galo”.

O problema é que é muito fácil se infectar pelo HPV. Mesmo quem só transa com camisinha pode adquirir o vírus durante o contato íntimo, ou ao masturbar o parceiro e depois tocar a própria genitália, por exemplo. Muitas vezes, o vírus fica em regiões que não são cobertas pelo preservativo. Ou, ainda, pode acontecer de a verruga ser invisível a olho nu – e a pessoa só descobre que tem a doença ao ir ao urologista ou ao ginecologista. Por isso é importante que homens e mulheres façam consultas de rotina, mesmo quando tudo parece estar bem.

Para piorar, o papilomavírus humano é muito frequente na população. Um estudo recente, divulgado pelos Centros de Prevenção e Controle de Doenças (CDC), nos EUA, indicou que 42% dos adultos têm subtipos do vírus associados a verrugas genitais.

No estudo atual, pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Boston coletaram amostras de biópsias de verrugas genitais e compararam o número de células-alvo do HIV presentes nelas aos das células normais das partes do corpo de onde foram retiradas. Além disso, as amostras foram cultivadas com HIV, para que fosse avaliado o quanto estavam sujeitas à infecção.

Em comparação com as células do tecido normal dos pacientes, as verrugas tinham concentração maior de células-alvo do HIV. Das oito amostras, duas apresentaram sinais definitivos de infecção pelo vírus da Aids. Em outras palavras, essas lesões tornam a região genital mais vulnerável à contaminação pelo HIV presente nos fluidos sexuais.

Os resultados reforçam a importância de se diagnosticar e tratar adequadamente as verrugas. Isso geralmente é feito com pomadas específicas, terapia com ácido ou cauterização em consultório, e alguns cuidados devem ser tomados durante o tratamento, para evitar a proliferação das lesões e também a transmissão do vírus. Tratamentos caseiros são contraindicados, pois, além de não resolverem o problema, podem até causar irritações.

A prevenção pode ser feita com a vacina contra o HPV, que oferece imunidade contra os principais subtipos causadores de verrugas, além de proteger contra os subtipos mais associados aos cânceres de colo de útero, boca e garganta.

Os autores do estudo acreditam que a vacinação em larga escala em áreas endêmicas para o HIV na África Subsaariana pode ter impacto no controle da epidemia de Aids nesses locais. As informações foram publicadas no Journal of Infectious Diseases.