Mães podem criticar outras com a mesma severidade com que julgam seus próprios defeitos

Publicado em Destaque, Notícias

Crédito: Fotolia

Mães costumam ser muito exigentes consigo mesmas, e as redes sociais parecem ter feito isso se agravar nos últimos anos. Esgotadas, muitas delas se sentem diminuídas ao ver uma amiga do grupo que consegue conciliar bem filhos, trabalho e aparência. Mas esses julgamentos quase sempre são injustificados – todo mundo só publica o melhor de si.

Uma pesquisa publicada esta semana mostra que muitas mães julgam as outras com a mesma severidade com que analisam seus próprios defeitos. Se autocrítica em excesso faz mal, cobrar perfeição de outras mães só piora tudo, já que experiências negativas com mulheres em situação parecida só prejudicam o bem-estar.

Os resultados, publicados no Journal of Family Communication, são oportunos numa época em que é possível se comparar com dezenas de pessoas com o deslizar de um dedo. Você pode nem se dar conta, porque nossas reações são automáticas, mas há sempre um julgamento a ser feito a partir de uma publicação. Críticas à mãe que “larga” os filhos com a babá para se divertir, ou que deixa as crianças comerem qualquer coisa são alguns exemplos comuns hoje em dia.

Se uma mãe que já não se sente muito segura das suas habilidades é criticada por outra mãe, ela pode deixar de buscar apoio. A consequência é isolamento e dúvidas que podem gerar angústia, ansiedade e até sintomas depressivos. Como bem observa os autores do estudo, da Universidade de Iowa, nos EUA, o sofrimento de uma mãe afeta a família inteira, principalmente os filhos, que dependem dos pais emocionalmente.

Com base em estudos prévios sobre o tema, os pesquisadores identificaram sete estereótipos comuns atribuídos a mães que trabalham ou são donas-de-casa: sobrecarregada (tenta fazer tudo, mas não dá conta); focada na casa e na família (prioriza as necessidades das crianças e da família acima de tudo); focada no trabalho (profissional dedicada, mas não uma mãe ideal); tradicional (acredita que a principal função da mulher é criar os filhos); não tradicional (moderna e liberada, toma decisões em benefício próprio também); preguiçosa (não trabalha, mas também não dá muita atenção aos filhos); e, por último, a mãe ideal (aquela que consegue equilibrar todas as responsabilidades sem um pingo de estresse).

Depois, os pesquisadores ouviram opiniões de 500 mães para descobrir quais estereótipos mais geram emoções negativas, e os resultados são curiosos. As preguiçosas, as ideais e as sobrecarregadas que não trabalham fora foram os perfis que mais atraíram o desprezo de outras mães. As entrevistadas até admitiram que tratariam mal uma mãe preguiçosa ou ideal, com afastamento ou críticas verbais.

Nem todas as reações, porém, foram negativas. Todas as mães sentem pena das que trabalham em excesso e demonstraram disposição para oferecer ajuda a elas. As mães focadas na carreira, especificamente, expressaram admiração pelas mães ideais, que conseguem dar conta de tudo sem se alterar, e as viram como aliadas. Um detalhe interessante é que a maneira como cada mãe opinou sobre outras dependia muito dos estereótipos com os quais cada uma se identificava mais.

A verdade é que os estereótipos nem sempre são reais: muitas mães consideradas ideais não se enxergam como tal. Por isso é bom tomar cuidado com os conceitos que criamos sobre os outros. Em vez de se comparar, é melhor que as mães encarem umas às outras como aliadas. Com ajuda mútua, cuidar dos filhos e de todo o resto pode ficar muito mais fácil.